O Rapidão da Notícia
Advogado, ex-deputado estadual, ex-deputado federal, Mendonça Prado (DEM), carrega em si uma vasta experiência, fatores que segundo ele, o credenciaram à disputa pelo cargo de Governador de Sergipe. Assim, nesta segunda-feira,3, ao participar de uma sabatina política no Jornal da Xodó em Rede, Mendonça defendeu e expôs seus projetos. “Quero ser governador do estado porque aproveito o período em que estive junto à algumas gestões e me preparei para isso. Tenho desejo e preparo para que Sergipe volte a brilhar”, pontuou.
Na oportunidade o democrata rechaçou a ideia defendida por políticos de esquerda de que os avanços sociais somente foram conquistados ao longos dos últimos 16 anos. “Essa ideia não é verdadeira. Muito pelo contrário, nos últimos anos tivemos uma queda de investimentos próprios no estado. Atualmente cada pedra que o governo coloca em uma obra não significa desenvolvimento, mas sim endividamento, tendo em vista que tudo vem sendo feito com recursos federais. Os grandes projetos de Sergipe, são  frutos do governo democrata na figura do ex-governador João Alves Filho. Os novos começaram a destruição. Queremos um governo ao estilo de João Alves, mas com uma repaginada, assim como exige a modernidade.O estado precisa levar renda ao homem do campo e fortalecer a economia. Não adianta apenas dar o peixe, é preciso também fornecer a vara de pescar”, comentou.
Questionado pelos âncoras Welder Ban e Eduardo Carvalho como fazer com que Sergipe supere a crise econômica e volte a apresentar solidez financeira, Mendonça Prado defendeu que seja feita uma auditoria nas finanças para que assim, seja diagnosticado o tamanho do rombo financeiro. “Temos que fazer uma auditoria total no estado, não para perseguir ninguém, mas para organizar as finanças. Quando o estado recolhe todos os tributos e os coloca em uma conta única, estes ficam disponíveis para serem usados onde quer que seja. Defendo a organização das finanças onde os recursos sejam separados por fonte. Para que possamos resolver as demandas e pôr o estado nos eixos”, afirmou.
Na visão do entrevistado, o próximo chefe do Executivo  não adianta adotar slogan de campanha marcada por jargões de transformações e não ter vontade de mudar a realidade.”Além da capacidade administrativa para uma boa gestão, é preciso ter um bom projeto e vontade política. Muitos falam de educação, por exemplo, mas depois esquecem esta seara. O problema da segurança pública decorre de um desmantelo social”, afirmou.
No segmento da educação, o candidato observou que é preciso fazer com que as escolas tornem-se ambientes atrativos, uma vez que assim, a evasão escolar diminuiria e os índices de violência urbana que levaram Sergipe a figurar entre os estados mais violentos da Federação, seriam reduzidos.  “Não quero prometer absolutamente nada de grandes obras, tendo em vista que o momento não nos permite. É preciso governar o estado com olhar humano e tornar a escola atrativa. Vamos utilizar os recursos da educação para que possamos comprar os produtos das cooperativas do próprio estado e oferecer uma melhor alimentação aos alunos. Criança com fome não aprende nada. A escola não é somente destinada ao aprendizado de português e matemática, mas para a formação do cidadão. Além disso, precisamos investir no esporte para afastar as crianças das drogas. Vou fazer com que a secretaria de esporte seja absorvida pela educação, pois hoje, a Secretaria serve apenas para administrar o Batistão”, declarou.
Por fim, o político declarou que irá promover uma readaptação na Lei que rege a Saúde Pública do estado no intuito que acabar com apadrinhamentos políticos pós aprovação em concursos públicos.  ” É preciso fazer uma readaptação na Lei da Saúde Pública de modo que sejam criados mecanismos para que consolidem as carreiras dentro da pasta, de modo que não hajam mais apadrinhamentos políticos para o que vierem a ser aprovados em concursos públicos. Temos que nomear os servidores conforme as demandas. Vamos investir nos serviços de saúde básica  e fazer as unidades instaladas no interior funcionar para assim diminuir a demanda do Huse. Vou trazer de volta o pró-mulher, projeto que foi retirado do estado por estar atrelado à senadora Maria do Carmo”, finalizou.
Por Daniel Villas-Bôas
Da redação Xodó News

Comentários

Postagem Anterior Próxima Postagem