Prefeito de Lagarto é alvo de operação do Deotap



Por Daniel Villas-Bôas, da Redação Xodó News 

Operação foi batizada de Leak

Com o objetivo de cumprir mandados de prisão preventiva e de busca e apreensão nas cidades de Aracaju e Lagarto, desde as primeiras horas desta sexta-feira,22, promotores do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público de Sergipe, com o apoio de delegados do  Departamento de Crimes contra a Ordem Tributária e Administração Pública (Deotap), da Polícia Rodoviária Federal (PRF), e do Comando de Operações Especiais (COE) da Polícia Civil e outras  unidades policiais deflagraram uma operação.
Batizada de Leak,   a investigação diz respeito a desvios de verbas públicas do Matadouro Municipal de Lagarto e à prática do crime de Lavagem de Dinheiro pelo Prefeito de Lagarto e demais investigados.
Estão sendo alvo de buscas a sede da Prefeitura de Lagarto, as Secretarias Municipais de Finanças e Administração, o Matadouro de Lagarto, a sede da empresa JML Comércio Atacadista de Fumo LTDA, e as residências do Prefeito, do genro e de laranjas dele e o administrador do Matadouro Municipal.
Quatro mandados de prisão preventiva foram expedidos, em desfavor do prefeito José Valmir Monteiro, de seu genro Igor Ribeiro Costa Aragão e dos sócios da empresa JLM, Joel do Nascimento Cruz e Gildo Pinto dos Santos.
Segundo o Gaeco, o nome da operação é uma alusão ao fato da notícia de vazamento dos pedidos de prisão e buscas que estão sendo apurados, além da notícia de que os principais alvos de prisão saíram de seus domicílios para evitar serem capturados.
Por volta das 7h30 o Gaeco informou que os alvos da operação não se encontravam em suas respectivas residência e desta forma, passaram a ser considerados foragidos da Justiça. Responsáveis pelas defesas de Valmir e de Igor, respectivamente, os advogados  Fabiano Feitosa e Dr. Bruno, informaram  que seus clientes irão se entregar na sede do Deotap.
Uma coletiva para detalhar as ações, será realizada às 9h30 na sede do órgão fiscalizador.


Nenhum comentário